Dircom organiza encontro online com José Manuel Velasco sobre a liderança de equipes e a gestão das emoções para enfrentar o novo normal

A Associação de Diretores de Comunicação, Dircom, organizou uma nova sessão do ciclo de seminários Capabilities com José Manuel Velasco, coach, consultor de comunicação e formador em liderança, gestão de equipes e habilidades de comunicação, sobre os novos modelos de liderança adequados aos tempos de incerteza que estamos vivendo e que, seguramente, nos acompanharão a partir de agora.

QUE TIPOS DE LIDERENÇA NECESSITAMOS

Durante a sessão, José Manuel Velasco convidou os participantes a se aprofundarem sobre os diferentes tipos de liderança, que têm uma característica em comum: a comunicação é imprescindível. O formador compartilhou com os participantes as características que uma boa liderança exige. “A chave é estar a serviço de sua equipe, primeiro olhar para o interior de sua organização e depois para cima. O líder também necessita ter presença e que a equipe o veja em seu lugar de comando. Da mesma forma, o líder deve ser capaz de tecer um padrão de relacionamentos e narrativas por meio da comunicação, além de compartilhar a visão e o propósito com sua equipe. Por fim, as decisões devem ter sentido, serem fáceis de entender e de assumir”.

As 8 características de um bom líder:

  1. Lidam com a complexidade e a decodificação;
  2. Mentalidade global.
  3. Atuam estrategicamente.
  4. Promovem a inovação.
  5. Aproveitam as redes.
  6. Inspiram compromisso.
  7. Flexibilidade.
  8. Ágeis para aprender.

GESTÃO DAS EMOCOÇÕES

Em outra parte da sessão, José Manuel Velasco falou da gestão das emoções, um aspecto central na hora de dirigir as equipes. O coach executivo enumerou os quatro passos para fazê-la de forma eficaz. “O primeiro é identificar a emoção, saber o que está acontecendo comigo. O segundo seria legitimar essa emoção, seja sua ou de outra pessoa. Em terceiro lugar, devemos calibrar a intensidade que aplicamos a essa emoção. E, por fim, responder, e não reagir instintivamente”, disse.

TRÊS EMOÇÕES BÁSICAS NESTES MOMENTOS

  1. Medo. É legítimo e lógico que se produza. Temos que nos perguntar:
  • De que.
  • Qual é meu dever.
  • O que ganho.
  • Quem pode me ajudar.
  1. Estresse, angústia, ansiedade. Estamos acostumados a controlar as coisas. Temos que nos perguntar:
  • O que me causa.
  • Se posso negociar.
  • O que o reduz.
  1. Confiança. É necessário que as equipes confiem na gestão. São três elementos:
  • Competência técnica.
  • Sinceridade.
  • Credibilidade.

José Manuel Velasco também apresentou seu conhecimento sobre reações emocionais e respostas. Das primeiras, ele indicou que são instintivas, instantâneas e descontroladas, certamente baseadas em alguma experiência anterior e que podem ter um resultado incerto. Porém, se dermos um passo adiante e aprendermos a responder por meio do raciocínio, isso nos levará a uma situação controlada, com experiências e cenários possíveis, e com um resultado mais previsível.

A SITUAÇÃO ATUAL DA COMUNICAÇÃO

Durante o evento, os associados da Dircom estavam interessados ​​em conhecer a visão de José Manuel Velasco sobre a atual situação da comunicação nas empresas. Nesse sentido, o coach executivo afirmou que a comunicação esteve e continua sendo a primeira linha no front da gestão desta crise, desempenhando um papel fundamental para informar todos os stakeholders. “E depois da crise é quando você se esquece. Temos que aproveitar para continuar reivindicando a importância da comunicação e temos que estar muito ligados às necessidades imediatas das empresas, seja apoiando ao marketing e ao comercial, à retomada de suas operações ou tentando recuperar seus níveis prévios de atividade”.

ESTA SESSÃO, NO QUADRO DAS HABILIDADES GLOBAIS, FAZ REFERÊNCIA A:

  1. Oferecer liderança organizacional.
  • Ser parte ou ter acesso à equipe executiva de gestão e ajudar a construir alianças internas na organização.
  • Demonstrar a liderança em comunicação impulsionando um modelo de gestão baseado no diálogo.
  • Demonstrar a visão de negócio e financeira mediante o conhecimento dos processos essenciais da organização.
  1. Desenvolver-se e desenvolver os demais, incluindo formação profissional contínua.
  • Responsabilizar-se por seu próprio e contínuo desenvolvimento profissional, entre outras atividades, por meio da formação.
  • Participar em eventos do setor, representar a profissão em fóruns públicos e educar a outros sobre o papel e o valor da comunicação para empregados e clientes.
  • Ser capaz de oferecer orientação profissional que implique, motive e contribua para o desenvolvimento das equipes.