O desafio da comunicação diante da COVID-19

Mais de 150 membros de toda a Espanha participaram do primeiro webinar da Dircom focado na crise do Covid-19. Miguel López-Quesada, Tesa Díaz-Faes, Isabel Perancho, foram os protagonistas deste encontro.

Miguel López-Quesada, presidente da Fundacom e Dircom e Diretor de Comunicação, Marketing e Relações Institucionais da Gestamp e Tesa Díaz-Faes, diretora de Comunicação do Grupo Nueva Pescanova, participaram com mais de 150 membros da Dircom de toda a Espanha no primeiro webinar lançado pela Associação para dialogar sobre as ações de comunicação que estão sendo realizadas por causa da crise do coronavírus. A reunião foi moderada por Isabel Perancho, especialista em comunicação em saúde e representante de Participação da Dircom. Durante o evento foi apresentado como o Covid-19 transformou de maneira radical e imprevisível o cenário socioeconômico ao qual estávamos acostumados.

Nessa situação, os profissionais de comunicação enfrentam uma crise sem precedentes, na qual a comunicação antecipada, equilibrada e confiável pode ser o melhor remédio para enfrentar esse desafio”, afirmou Lopez-Quesada. O Presidente da Dircom explicou como a situação atual representa um desafio e uma disrupção absoluta para a maioria das pessoas e como, neste momento, mais do que nunca, a comunicação deve transmitir mensagens claras, eficazes e simples, evitando na medida do possível “o ruído”.

Tesa Díaz-Faes, diretora de Comunicação do Grupo Nueva Pescanova, por sua vez, explicou aos participantes como essa situação está sendo gerenciada em sua empresa, na qual a comunicação interna se tornou um elemento essencial. “Ativamos o comitê de crise para analisar diariamente a evolução nos 20 mercados em que estamos presentes e nos adaptar à realidade de cada um deles, com diferentes protocolos que visam proteger a segurança e a saúde de nossos principais stakeholders, nossos empregados“, afirmou Díaz-Faes. “A mensagem deve ser a mesma para todos, para os que estão em barcos e para os que cuidam de animais na aquicultura (que não entendem de quarentenas), para as pessoas que continuam trabalhando nas fábricas ou para quem pode trabalhar de casa. Ninguém pode se sentir discriminado em relação a outro colega”, acrescentou. “Como empresa de alimentos, desempenhamos um papel fundamental nessa crise global e temos o dever social de garantir o abastecimento da população. É o momento de motivar e agradecer aos nossos 10.000 funcionários pelo esforço diário”, explicou a Dircom da Pescanova.

Díaz-Faes também se referiu à importância de ter um plano de crise atualizado. “Nestes dias, na Pescanova, o Comitê de Crise se reúne todas as manhãs logo cedo, seguindo um roteiro estabelecido e sendo muito objetivos e práticos“, afirmou. “Em seguida, cada diretor geral da empresa se reúne com o Country Manager de sua área para cascatear as informações e implementar as novas medidas, que cada um deles leva ao seu comitê nacional de crise e adaptam os protocolos dia a dia. A evolução da pandemia é diferente em cada um dos mercados em que trabalhamos, é essencial que saibam como agir e quais protocolos seguir em cada estágio da crise”, destacou Díaz-Faes.

FAKES NEWS E DESINFORMAÇÃO

Isabel Perancho, por sua vez, referiu-se à saturação informativa a que estamos expostos, em um ambiente no qual as fake news se espalham sem controle, “é por isso que é importante fazer uma triagem e distinguir entre informações rigorosas e meias verdades”, ressaltou.

Nesse sentido, López-Quesada ressaltou o papel da mídia “tradicional” neste momento, seja on ou offline. Os meios de comunicação sairão desta crise reforçados pelo importante papel que estão desempenhando, garantiu o presidente da Dircom, que também se referiu ao papel que o WhatsApp e outras redes sociais estão desempenhando em termos de comunicação, já que em um momento de tensão como o que estamos vivendo, eles estão garantindo a fuga psicológica que às vezes precisamos.

Etiquetas: