Actualidad

Fundacom > Actualidad

Sacyr obtiene el Premio Fundacom a la mejor “Estrategia Global de Comunicación”

6 Abril 2017 |by Fundacom | Comentários fechados em Sacyr obtiene el Premio Fundacom a la mejor “Estrategia Global de Comunicación” | Actualidad | , ,

Desculpe, este conteúdo só está disponível em espanhol Por uma questão de conveniência para o utilizador, o conteúdo é mostrado abaixo no idioma alternativo. Pode clicar na ligação para alterar o idioma activo.

Estos galardones distinguen la excelencia y mejores prácticas en comunicación y relaciones públicas en 22 categorías.

Miami, 5 de abril de 2017.- Fundacom, la fundación para el impulso de la comunicación en español y portugués en el mundo, ha otorgado hoy el premio a la Mejor Estrategia Global de Comunicación Corporativa a la empresa Sacyr por su proyecto Sacyr y el Canal de Panamá. Este evento ha tenido lugar en el Hotel Hilton Miami Downtown, Estados Unidos.

Estos galardones internacionales distinguen la excelencia y las buenas prácticas en relaciones públicas y comunicación en las organizaciones, reconociendo los mejores proyectos realizados en español y portugués en el mundo.

Un total de 42 empresas de diferentes países de Iberoamérica han sido finalistas de esta I edición de los Premios Fundacom, a los que se han presentado un total de 114 proyectos en 22 categorías.

Durante la ceremonia de entrega de estos premios proyectos de diversos países de Iberoamérica han sido reconocidos. En el área de mejores campañas, las empresas Axon Comunicación International, Grupo Clarín y Ageas Seguros han recibido el premio a “Mejor campaña externa” según el sector al que pertenecen. Salesforce ha sido reconocida por tener la “Mejor Campaña Interna” del ámbito trasnacional y Grupo Marista del ámbito nacional. Igualmente, AB COM y Asociados – BBVA ha sido el ganador en la categoría “Campaña de Cambio Organizacional”, mientras que Marco de Comunicación lo ha sido en “Campaña en Redes Sociales” y NH Hotel Group en la categoría correspondiente a “Campaña de Responsabilidad Social Corporativa”.

Además de los ya mencionados, en el área de eventos, la empresa Deloitte con su proyecto El Impacto Empieza En Ti – 1ª Reunión Nacional ha sido la ganadora en la categoría “Evento Interno”, y las empresas Accenture y Thyssenkrupp Companhia Siderúrgica Atlântico son las vencedoras en la categoría “Evento externo”.

Por último, en lo tocante a medios y herramientas, las empresas Galp EnergiaAssociação Mutualista Montepio, WeAddYou y Comunicación e Imagen Balam han sido ganadoras en las 4 categorías que hacen referencia a las “Publicaciones”; CTT – Correios de Portugal, Accenture, Junta de Freguesia de Santo AntónioFundación Telefónica de Argentina y Red Eléctrica de España han obtenido el primer lugar en las 5 categorías de “Multimedia & Digital”, al igual que Ibá – Indústria Brasileira de Árvores en la categoría “Infografía y Presentación Visual de Datos”.

Durante este evento, también se reconoció a Enrique Bustamante la labor de la Academia Mexicana de la Comunicación (AMD), una organización con 15 años de trayectoria profesional, por su labor de impulso a la profesionalización de la comunicación en México. Su labor informativa ha tenido lugar por siete años consecutivos en su espacio radiofónico titulado Enrique Bustamante y la Academia Mexicana de la Comunicación.

Teresa Mañueco, patrono de Fundacom ha agradecido la participación de todas las organizaciones en los premios y ha felicitado a los ganadores. Igualmente, Antonio Rapoula, coordinador de los Premios Fundacom, comentó la importancia de estos galardones para el sector de la comunicación

“Estos finalistas y vencedores de loPremios Fundacom demuestran que en Iberoamérica se hacen proyectos de referencia mundial en comunicación estratégica y organizacional, y se pone en evidencia que los profesionales de estos países están entre los mejores del mundo. ¡Enhorabuena a todos los participantes! ”.

Los miembros del jurado, 75 expertos de 8 países, han sido los responsables de la evaluación de todos los proyectos a lo largo de dos fases, una nacional y otra internacional. Los jurados de estos galardones, que pertenecen a los países de las asociaciones que constituyen Fundacom son profesionales de prestigio del sector de la comunicación, que han evaluado la creatividad, la innovación, la gestión y los recursos utilizados.

La ceremonia de entrega de estos galardones es uno de los primeros eventos que ha tenido lugar durante la I Cumbre Iberoamericana de Comunicación Estratégica, CIBECOM’2017. Este foro, que se celebra del 5 al 7 de abril en Miami, es la cita de los profesionales de la comunicación en Iberoamérica. A través de las ponencias de diversos expertos, de la perspectiva de personalidades institucionales, de la exposición de estudios sobre el sector, y de casos prácticos se darán a conocer las tendencias en comunicación corporativa a ambos lados del Atlántico.

Puede acceder en la lista de los ganadores de cada categoría a través de este enlace.

De forma complementaria, dado que Fundacom es miembro de la Global Alliance for Public Relations and Communication Management, los ganadores de los Premios Fundacom tendrían la posibilidad de postularse también a los Comm prix Awards.

Marco de Comunicacion (Redes Sociales)

Marco de Comunicacion (Redes Sociales)

Industria Brasileira de Arvores (Infografia)

Industria Brasileira de Arvores (Infografía)

Grupo Clarín (Campaña Externa)

Grupo Clarín (Campaña Externa)

Fundación Telefónica Argentina (página web y blog)

Fundación Telefónica Argentina (página web y blog)

CTT (Radio y TV)

CTT (Radio y TV)

Ageas Seguros (Campaña Externa gubernamental y ong)

Ageas Seguros (Campaña Externa gubernamental y ong)

KEEP READING

EL ALCALDE DE MIAMI PRESENTA LA CUMBRE CIBECOM

4 Abril 2017 |by Fundacom | Comentários fechados em EL ALCALDE DE MIAMI PRESENTA LA CUMBRE CIBECOM | Actualidad, Actualidad CIBECOM, Noticias | , , , ,

Este foro reunirá a más de 200 congresistas de más de 20 nacionalidades para debatir sobre los retos de la comunicación del siglo XXI.

KEEP READING

Mais de 40 empresas iberoamericanas são finalistas dos Prémios Fundacom

4 Abril 2017 |by Fundacom | Comentários fechados em Mais de 40 empresas iberoamericanas são finalistas dos Prémios Fundacom | Actualidad, Actualidad CIBECOM, Noticias |

A entrega destes galardões terá lugar durante a Cimeira CIBECOM.

Um total de 42 empresas de diferentes países iberoamericanos foram nomeados para a fase final da primeira edição dos Prémios Fundacom, que distinguem a excelência e as boas práticas em relações públicas e comunicação nas organizações, premiando os melhores projetos realizados em espanhol e português por todo o mundo.

Inscreveram-se 114 projetos nas 25 categorias destes prémios, cujos vencedores serão anunciados no dia 5 de abril, durante a cerimónia de entrega dos Premios Fundacom, que terá lugar em Miami, no hotel Hilton Downtown.

Os jurados, 75 especialistas de 8 países, foram responsáveis pela avaliação de todos os projetos em duas fases, uma nacional e outra internacional. O júri destes prémios, proveniente dos países das associações fundadoras da Fundacom, é composto por profissionais de prestígio no sector da comunicação, e avaliou a criatividade, a inovação, a gestão e os recursos utilizados.

Neste certame candidataram-se empresas, profissionais e agências de comunicação que criaram projetos de comunicação em espanhol e/ou português de um total de 10 países.

Os Prémios Fundacom são um prelúdio para a Primeira Cimeira Iberoamericana de Comunicação Estratégica, CIBECOM’2017. Um evento que, sob o lema Reputação, Sustentabilidade e Transparência: pilares do século XXI terá lugar nos dias 5, 6 e 7 de abril, em Miami.

KEEP READING

Fundacom e CEIB assinam convênio de colaboração para impulsionar a comunicação na Ibero-América

4 Abril 2017 |by Fundacom | Comentários fechados em Fundacom e CEIB assinam convênio de colaboração para impulsionar a comunicação na Ibero-América | Actualidad, Actualidad CIBECOM, Noticias | ,

Fundacom e o Consejo de Empresarios Iberoamericanos (CEIB) assinaram um convênio de colaboração, com os objetivos de fomentar a cooperação com as organizações empresariais ibero-americanas na formação de estratégias de comunicação no âmbito das Conferências Ibero-Americanas e de apoiar os eventos sobre comunicação estratégica que realizem a fundação para o fomento da comunicação em espanhol e português.

A assinatura deste acordo, realizada por Joan Rosell, representando ao CEIB, e Sebastián Cebrián, diretor da Fundacom, é parte dos acordos institucionais que está realizando a fundação com organizações de âmbito ibero-americano.

KEEP READING

Fundacom e OEI assinam convênio de colaboração para o desenvolvimento da comunicação na Ibero-América

15 Março 2017 |by Fundacom | Comentários fechados em Fundacom e OEI assinam convênio de colaboração para o desenvolvimento da comunicação na Ibero-América | Actualidad, Actualidad CIBECOM, Noticias | , ,

Em 1º de março, Fundacom, fundação para o fortalecimento da comunicação em espanhol e português no mundo, e a OEI, a Organização de Estados Ibero-Americanos para a Educação, a Ciência e a Cultura, assinaram um convênio de colaboração com o objetivo de fomentar a comunicação estratégica na Ibero-América.

Com este convênio, ambas as organizações buscam facilitar a influência, o conhecimento, o networking e a formação de todos os profissionais implicados na matéria.

No ato de assinatura, estiveram presentes Teresa Mañueco, patrono de Fundacom; Carlos Abicalil, diretor geral de Programas Educativos e Culturais da OEI; Sebastián Cebrián, Diretor de Fundacom; e Carmen Rodríguez, técnico de Educação da OEI.

Durante o ato, destacou-se a importância que tem a comunicação como elemento fundamental e transversal para o êxito das organizações e o desenvolvimento dos países.

Fundacom é um organismo que está sendo impulsionado por 12 organizações de comunicação na Ibero-América. Esta fundação trabalha com base em seis linhas estratégicas, sendo uma delas a I Cimeira Ibero-Americana de Comunicação Estratégica, CIBECOM’2017. Um evento que, sob o tema “Reputação, Sustentabilidade e Transparência: pilares do século XXI”, acontecerá em Miami, nos dias 5, 6 e 7 de abril.

FIRMA-CONVENIO-FUNDACOM-OEI-2

KEEP READING

Recuperar a confiança

8 Março 2017 |by Fundacom | Comentários fechados em Recuperar a confiança | Actualidad, Actualidad CIBECOM, Noticias | ,

Os resultados do Edelman Trust Barometer de 2017 trazem resultados preocupantes. Há uma crise de confiança, não só no México, como em todo o mundo. Os 28 países aonde Edelman conduziu esta pesquisa registram o maior colapso na confiança do público nas instituições (governos, meios, empresas e organizações da sociedade civil) desde 2000, data que a Edelman começou a implementar a pesquisa para medir a confiança ao redor do mundo.

No México, a confiança geral nas instituições caiu 11 pontos em relação ao ano passado, na opinião do público mais informado, enquanto na população em geral a queda é de 7 pontos. A sensação é de que o sistema está falhando: 67% dos mexicanos sentem que o sistema é injusto e decepcionante, sendo que somente 8% acredita que ele funciona. O resurgimento do nacionalismo, os medos e a oposição ao estrangeiro (leia-se refugiados e imigrantes), assim como os chamados isolacionistas e o abandono do livre comércio estão freando esse caminho que alguns davam como certe em direção a uma sociedade mais livre, aberta, democrática e transparente. Temos nos deparado, pelo contrário, com muros e proibições, portas fechadas e ouvidos surdos.

Mariana Sanz Lapiedra, Directora General de Edelman México

Mariana Sanz Lapiedra, Directora General de Edelman México

A desconfiança é sintoma ou causa desta situação? O Trust Barometer mostra que é um ciclo que se alimenta ele mesmo. Sentir que o sistema está falhando aumenta nossos medos e inseguranças, o que acentua a erosão da confiança nas instituições que deveriam ajudar a resolver os desafios atuais.

Por isso mesmo, o assombro não pode ser substituído pela inação. Assim como vemos o ressurgimento de inimigos que acreditávamos ter vencido, temos que regressar aos elementos básicos onde inicialmente se constrói a confiança na sociedade: nas famílias, em nosso bairro, na escola, no trabalho, com nossos amigos.  Isto é, em nossas comunidades.

A desconfiança generalizada nas instituições é um sinal de que não nos sentimos representados adequadamente, que tanto o governo como o setor privado, os meios e inclusive as ONGs não estão escutando as pessoas. Queremos um lugar à mesa? Participar nas tomadas de decisão? Então devemos passar à ação. Como lembrou Barack Obama, em seu discurso de despedida, a democracia depende de nossa participação; que o sistema funcione é nossa responsabilidade.

Desde nossa trincheira, as agências de comunicação e relações públicas têm muito trabalho para fazer para ajudar os clientes a navegar por essa complicada conjuntura. Paralelamente, há uma responsabilidade compartilhada por parte de nossos clientes na luta contra a desconfiança. Na Edelman, trabalhamos para evoluir, promover e proteger as organizações e marcas com as quais colaboramos. Esses três eixos não significariam muito se não impulsionássemos nossos clientes a estabelecer um diálogo transparente com suas audiências. Isso é mais necessário do que nunca.

A desconfiança nos meios (no México contam com 47% de desconfiança) é um chamado para que as empresas façam um trabalho profundo em proporcionar informação clara aos consumidores. Os meios são chave e necessários e podemos ajudar a fortalecer seu papel ao trabalhar com eles para chegar aos públicos. A desconfiança no setor privado é um chamado para que as empresas se voltem mais para suas comunidades, para assumir a responsabilidade social como um elemento chave de seu negócio. As agências podemos e devemos trabalhar para estabelecer e fortalecer esta relação.

Sem dúvida, o Edelman Trust Barometer 2017 aponta para um cenário difícil. Mas também nos oferece dados que explicam as causas que nos levaram ao ponto que estamos vivendo, e por isso, nos dá pistas sobre o caminho a seguir para reverter essa situação. Depende de nós que a mudança seja positiva.

KEEP READING

Mais de 100 projetos competem para ser reconhecidos como as melhores práticas em comunicação em espanhol ou português no mundo!

24 Fevereiro 2017 |by Fundacom | Comentários fechados em Mais de 100 projetos competem para ser reconhecidos como as melhores práticas em comunicação em espanhol ou português no mundo! | Actualidad, Actualidad CIBECOM, Noticias |

Premios Fundacom

Diversas organizações de 9 países iberoamericanos participaram na primeira edição dos Prémios Fundacom, que distinguem a excelência e as boas práticas das relações públicas e da comunicação organizacional, reconhecendo, assim, os melhores projectos produzidos e divulgados em espanhol e/ou Português. No total, foram apresentados 114 projetos.

Estes prémios são compostos por duas fases, uma nacional e uma internacional. No dia 5 de março serão anunciadas as candidaturas nomeadas para a fase final.

 

Cerimónia de entrega dos Prémios Fundacom

No dia 5 de abril, em Miami, coincidindo com o início daquela que será a 1ª Cimeira Iberoamericana de Comunicação Estratégica, CIBECOM’2017, terá lugar a cerimónia de entrega dos Prémios Fundacom, um evento caracterizado pelo prestígio e pela excelência.

Este evento terá lugar no Hilton Miami Downtown Hotel, às 19h00.

Tanto os Prémios Fundacom como a Cibecom permitem aos seus assistentes partilhar experiências e conhecimentos com os melhores nas áreas de comunicação, relações públicas e reputação.

 

Cibecom

A 1ª Cimeira Iberoamericana de Comunicação Estratégica é um evento único que permite ter, em primeira mão, a experiência de mais de 30 intervenientes: ex-presidentes de países, executivos-chefes e diretores de comunicação de empresas, sobre questões relacionadas com a reputação, a sustentabilidade e a transparência.

O seu lema é “Reputação, Sustentabilidade e Transparência: pilares do século XXI“.

 

Sobre a Fundacom

A Fundacom é uma organização sem fins lucrativos que tem o apoio das principais associações decomunicadores da Iberoamérica, e simboliza a união pelo desenvolvimento dos profissionais e directores de comunicação nos países de língua espanhola e portuguesa. As Associações fundadoras da Fundacom são: Aberje e Conferp (Brasil), APCE (Portugal), Asodircom (República Dominicana), AURP (Uruguai), CICOM e PRORP (México), CECORP (Colômbia), o CPRP e o Círculo Dircoms ( Argentina), FOCCO (Chile) e Dircom (Espanha).

Mais informação:

www.fundacom.lat

info@fundacom.lat

KEEP READING

Aberje premia melhores práticas da Comunicação Empresarial em 2016

2 Fevereiro 2017 |by Fundacom | Comentários fechados em Aberje premia melhores práticas da Comunicação Empresarial em 2016 | Actualidad, Actualidad CIBECOM, Noticias | , ,

Cerimônia de Premiação do Prêmio Aberje 2016 aconteceu na quinta-feira, 24 de novembro, em São Paulo

O Prêmio Aberje reconhece as melhores práticas da comunicação empresarial brasileira, estimulando, reconhecendo e divulgando os esforços e iniciativas na área da comunicação e dos relacionamentos. Por esse motivo, em 2013, foi eleito o mais importante prêmio do setor pela pesquisa Mapa da Comunicação Brasileira. Em 2016, os 170 jurados avaliaram mais de 210 projetos de 17 categorias, de mais de 120 empresas. Os vencedores nacionais foram revelados no dia 24 de novembro de 2016, na Cerimônia de Premiação, em São Paulo.

Desenvolver projetos, vencer desafios e tornar-se referência é o ciclo dessa premiação. São oportunidades para aperfeiçoar, modificar e colaborar com o desenvolvimento da comunicação e da sociedade brasileira. Além dos melhores cases de Comunicação, o Prêmio Aberje possui categorias que reconhecem os comunicadores, as empresas de mídia, o educador e a trajetória de comunicação de maior destaque do ano.

Confira a lista de vencedores do Prêmio Aberje 2016:

Cases vencedores

Comunicação de Marca

  • Colégios da Rede Marista, “Caixa de memórias: Relembrando os tempos de colégio”

Comunicação de Marketing

  • UNIMED-BH, “Lançamento do produto UNIMED Pleno”

Comunicação de Programas Voltados à Sustentabilidade Empresarial

  • NOVELIS, “Prêmio NOVELIS de Sustentabilidade”

Comunicação de Programas, Projetos e Ações Culturais

  • Natura Cosméticos, “Natura Musical: Uma década fazendo história na música brasileira”

Comunicação de Programas, Projetos e Ações Esportivas

  • Universidade Estácio de Sá, “Estácio de Sá Estácio no esporte – Formando campeões”

Comunicação e Organização de Eventos

  • THYSSENKRUPP CSA, “#CASAMENTAÇO – Casamento Comunitário”

Comunicação e Relacionamento com a Imprensa

  • AES Eletropaulo, “Sala energia de imprensa”

Comunicação e Relacionamento com a Sociedade

  • FIBRIA, “Nossa casa tem FIBRIA”

Comunicação e Relacionamento com o Consumidor

  • FRIBOI, “Academia da carne FRIBOI”

Comunicação e Relacionamento com o Público Interno

  • Grupo MARISTA, “Por mais olho no olho: O empoderamento dos gestores no processo de comunicação com os colaboradores”

Comunicação e Relacionamento Internacional

  • SAP Brasil, “SAP Spotlight tour – Posicionando o Brasil na mídia internacional como referência em soluções de tecnologia para diferentes setores da economia”

Comunicação Integrada

  • Norsk Hydro Brasil, “A Hydro, o a-ha, PARA SEMPRE”

Responsabilidade Histórica e Memória Empresarial

  • Rede Marista, “Memórias Maristas: histórias de amor e vida. Programa permanente de preservação e valorização da memória da Rede Marista”

Mídia Digital

  • Santander Brasil, “Linkedin santander universidades”

Mídia Audiovisual

  • PUERI DOMUS, “Pueri Videolab”

Mídia Impressa

  • Grupo Boticário, “Revista Essência”

Publicação Especial

  • FIBRIA, “Relatório FIBRIA 2015”

Comunicadores do Ano

  • Carina Almeida, presidente da Textual.
  • Daniela Schmitz, vice-presidente executiva de Comunicação Integrada da Edelman Significa.
  • Geraldo Magella, gerente de Comunicação Corporativa da Fibria.
  • Luciana Coen, diretora de Comunicação Integrada e Responsabilidade Social Corporativa da SAP.
  • Malu Weber, diretora de Comunicação Corporativa da Votorantim Cimentos.
  • Marco Cortinovis, diretor de Comunicação para América Latina da Pirelli.
  • Nelson Silveira*, diretor de Comunicação e Relações Públicas da GM (*vencedor também da votação online como Comunicador do Ano pela Audiência Aberje).
  • Saulo Passos, diretor Global de Comunicação e Marketing da Embraer.
  • Solange Fusco, Diretora de Comunicação Corporativa do Grupo Volvo América Latina.
  • Tania Magalhães, diretora de Comunicação da Pay Pal.

Mídias do Ano

  • Televisão
  • Grupo Bandeirantes de Comunicação – canais BandNews e Arte 1  e sua parceria com o jornal The New York Times

Mídia Portal

  • UOL

Plataforma Multimídia

  • Red Bull Basement

Mídia Digital

  • Infomoney/Bloomberg

Mídia Digital Especializada

  • YouTube da GE do Brasil

Conteúdo de Marca

  • Estúdio ABC

Educador do Ano

  • Maria Russell, professora e diretora da S. I. Newhouse School of Public Communications, da Universidade de Syracuse

Trajetória do Ano

  • Milton Jung, jornalista e apresentador da rádio CBN

Empresa do Ano

  • Fibria
KEEP READING

Reputação Corporativa, Carlos Bonilla

2 Fevereiro 2017 |by Fundacom | Comentários fechados em Reputação Corporativa, Carlos Bonilla | Actualidad, Actualidad CIBECOM, Noticias | ,

Um dos conceitos atualmente em voga em relações públicas é a reputação corporativa, que está ligada com o posicionamento da empresa em si perante seus interlocutores, além daquela que possuem os produtos que a mesma oferece ao mercado. Poderíamos considerar que existem três categorias de marcas. A de produto, a corporativa e a híbrida, que abarca às duas primeiras.

Como exemplo, podemos citar que Ariel é a marca de sabão em pó; assim como Procter & Gamble é a marca corporativa de quem a produz. O mesmo ocorre com Corona e a Cervejaria Modelo; com Aspirina e Bayer; ou com Quick e Nestlé.

As marcas híbridas são as que identificam tanto a empresa como seus produtos. Alguns exemplos são Colgate Palmolive, Ford, Apple e Coca-Cola, a marca mais reconhecida no mundo e uma das companhias mais admiradas do mundo.

Algumas empresas preferem reconstruir a reputação de suas marcas e da própria companhia de forma separada, sem associar ambas perante os consumidores. Procter & Gamble está posicionada no meio empresarial como uma empresa muito exitosa, mas é raro o consumidor de Tide, Crest ou Ariel consciente de que esses produtos são fabricados pela companhia. Não ocorre assim para o consumidor do creme dental Colgate ou do sabonete Palmolive, produtos que levam como nome o da própria empresa que os fabrica. Este tipo de empresa constrói sua reputação corporativa paralelamente aos seus produtos. Esta estratégia tem a vantagem da sinergia, quando se trata de uma marca exitosa, mas também do risco do fato que a sorte de ambos – produto e empresa – depende do posicionamento e aceitação do primeiro. No caso de o produto ter algum problema que ameaça sua reputação – como, por exemplo, uma adulteração, falta de distribuição, etc. – irremediavelmente arrastaria consigo a reputação da empresa.

As marcas se constroem a partir da eficiência com a que os produtos e serviços satisfazem as necessidades dos consumidores ou dos usuários dos mesmos. Um elemento fundamental é a comunicação. A publicidade torna possível que a marca seja conhecida no mercado, mas também contribui para lhe dar prestígio, posicionando-a como uma das marcas que são de conhecimento público.

Os dois elementos chave para o lançamento de um produto no mercado são a diferenciação e a relevância. O primeiro nos diz sobre aqueles atributos do produto ou os benefícios que este traz aos consumidores em comparação com seus competidores. O segundo refere-se à forma como o produto satisfaz às necessidades ou desejos do consumidor, ou muda seu estilo de vida.

Entretanto, existem outros dois elementos chave para diferenciar uma marca. Um deles é a familiaridade que os consumidores têm com a mesma e as experiências positivas com os produtos no dia a dia, além do simples conhecimento da existência da marca. O outro elemento é a estima. Esta deriva do nível de satisfação do usuário e de sua preferência da marca sobre outras existentes no mercado ou as que se incorporam ao mesmo. Isto é, a promessa comprida que gera confiança e lealdade no consumidor.

Mas, da mesma forma que o consumidor premia com sua lealdade à empresa na qual confia, castiga os produtos e as empresas que os fabricam quando estes não satisfazem suas expectativas, quando percebe que não cumprem com o prometido.

Da mesma forma, ocorre com a chamada reputação corporativa ou marca corporativa, quando a empresa não cumpre com as expectativas da comunidade da qual faz parte. Os diferentes interlocutores da empresa têm expectativas em relação à mesma. Estas são satisfeitas á medida em que a empresa tenha uma conduta social de acordo com as necessidades de seu entorno. Isso se cumpre de maneira eficiente com sua responsabilidade perante a sociedade, o que se interpreta agora como sendo um bom cidadão corporativo. Por exemplo, no Japão se mede o cumprimento da responsabilidade social de uma empresa por meio do número de empregos que cria. Nos Estados Unidos, pela forma como ela se expande e ganha mercado no mundo.

A reputação corporativa, sem dúvida uma vantagem competitiva para a empresa, se constrói a partir de uma conduta organizacional de acordo com as necessidades e expectativas dos interlocutores da mesma empresa e do eficiente manejo dos meios de comunicação, para garantir a correta percepção da empresa por parte de suas audiências. Dizem bem os que dizem que fazer relações públicas consiste em portar-se bem e que os demais saibam disso.


Carlos Bonilla

Licenciado em Jornalismo e Comunicação Coletiva pela UNAM e Mestre em Relações Públicas pelo CADEC. É sócio-fundador e atualmente ocupa o cargo de Vice-presidente Executivo no AB Estúdio de Comunicação, uma das 10 firmas de consultoria em Comunicação Estratégica e Relações Públicas mais importantes do México, e professor do Máster em Comunicação Digital do CADEC e da Universidade de Cantábria.

Atuou como Diretor da Escola de Comunicação e Relações Públicas da Universidade Latino-Americana. Durante 37 anos, foi catedrático na licenciatura e pós-graduação nas universidades Latino-Americana, Anáhuac, Pan-americana, do Nordeste e Autônoma de Celaya, assim como do ITESM e do CADEC, onde foi professor fundador e agraciado como Professor Emérito. É autor e coautor de livros sobre relações públicas. Integrante da Corrente Latino-Americana de Relações Públicas, deu diversas conferências sobre a especialidade em foros nacionais e internacionais. É membro do Conselho Assessor do MERCO México, o medidor de reputação corporativa mais importante da Europa.

Foi eleito “O profissional de Relações Públicas do ano 2013”, reconhecimento dado pela Associação Mexicana de Profissionais de Relações Públicas (PRO-RP).

KEEP READING

O conceito de RSC e o que significa, Lorena Carreño

2 Fevereiro 2017 |by Fundacom | Comentários fechados em O conceito de RSC e o que significa, Lorena Carreño | Actualidad, Actualidad CIBECOM, Noticias | , , ,

Muitas empresas veem a Responsabilidade Social como um gasto e não como um investimento, e esta questão precisa ser tratada, de uma vez por todas, como um pilar da competitividade alinhado com a estratégia dos negócios e não como uma mera filantropia ou caridade. Para alcançar este objetivo não significa que tenha que se mudar a essência do negócio, mas sim que se utilizem diferentes métodos. No México, o assunto está na ordem do dia há vários anos, e cada vez mais vemos um avanço gradual na agenda pública e empresarial. Está provado que, na altura de escolher entre duas marcas da mesma qualidade e preço, a decisão de compra incide em 41% para aquela marca que tem a componente da responsabilidade social, seguida do design e da inovação, que atingem 32% ou 26% de lealdade à marca. E como se não bastasse, estudos oficiais indicam que 70% dos consumidores dizem que estão dispostos a pagar mais por uma marca que apoie causas sociais ou ambientais.

Que benefícios proporciona a RSC (Responsabilidade Social Corporativa) e que prioridade dão as organizações a este assunto? A União Europeia no seu “Livro Verde” define-a como “a integração voluntária pelas empresas de preocupações sociais e ambientais nas suas operações comerciais e na sua relação com os seus interlocutores“, e o Conselho Mundial Empresarial para o Desenvolvimento Sustentável enquadra-a como “o compromisso das empresas para contribuir para o desenvolvimento económico sustentável com os funcionários, as suas famílias, a comunidade local e sociedade em geral para melhorar a sua qualidade de vida“. Em ambas as definições está a sociedade, o meio ambiente e criação de valor no longo prazo.

Se o termo RSC está ligado ao desenvolvimento sustentável e à gestão do seu impacto económico, deveria ser visto a partir da perspectiva de rentabilidade no negócio, mas não é assim, já que para a maioria das empresas este assunto ainda não faz parte do seu core business, pelo que é necessária uma maior consciência social e, para além das boas intenções de exibir um diploma entregue por terceiros, são necessárias melhores ferramentas que permitam aos empresários aplicar melhor os seus esforços.

A Aliança para a Responsabilidade Social Corporativa (AliaRSE) e o Centro Mexicano para a Filantropia (Cemefi) fizeram a primeira tentativa para distinguir as empresas com esta abordagem no país. Embora haja muito espaço para melhorar, esta é uma primeira iniciativa para evidenciar estratégias empresariais, divulgando as ações das empresas que têm um verdadeiro impacto social. Sem dúvida, o interesse para obter esta distinção está a crescer, já que, 17 empresas obtiveram o diploma em 2001, e em 2014 o número de empresas galardoadas aumentou para 774.

Este diploma não é uma certificação, mas sim um auto-diagnóstico suportado pela organização e verificado pelas empresas que o concedem.

O interesse em promover a responsabilidade social tem levado a outras iniciativas de várias organismos, tais como o Instituto de Desenvolvimento Empresarial Anáhuac (IDEA), o Instituto Mexicano de Executivos de Finanças (IMEF), a Norma Mexicana de Responsabilidade Social, o Pacto Global México, a Red Puentes, e os Comunicadores de Responsabilidade Social (COPARES), entre outros. Isso revela que há muito a ser feito, e que a estratégia de Responsabilidade Social das Organizações deve ser integrada.

A questão da reputação e da imagem de marca tem dado um forte impulso à responsabilidade social: quando uma organização está envolvida numa crise mediática motivada por danos ambientais, direitos humanos ou corrupção, os gestores aceleram a implementação dos esforços de gestão ética nos seus negócios. Se nos anos cinquenta do século XX o bem mais valioso da organização eram os bens tangíveis, na primeira década do século XXI isso mudou, para dar mais valor à marca. De acordo com a Brand Finance, atualmente os bens tangíveis representam apenas 10% do valor da marca. Hoje, a maior riqueza está na relação da marca com a sociedade, pois os consumidores já não procuram os valores da marca, é a marca que tem de aproximar-se dos nossos valores e aspirações como sociedade. Logo mais, não é a própria sociedade que deverá avaliar as empresas nas suas ações de Responsabilidade Social?.

O termo Responsabilidade Social tem sido conotado com conceitos como a filantropia ou caridade, o que, longe de ajudar ao seu posicionamento, dão uma noção completamente alheia da sua verdadeira função. Durante décadas, foram desenvolvidos esforços para não ser identificada como uma questão assistencial: antes de mais, deve gerar um maior compromisso com a empresa, identificar melhor o seu impacto social externo e na sua própria estrutura, como um claro compromisso de trabalho com os seus funcionários e membros de uma comunidade específica.

Por outras palavras, a RSC envolve o diálogo e a interação com os diversos stakeholders da organização, pois esta é uma visão de negócio que integra o respeito pelas pessoas, pelos valores éticos, pela comunidade e pelo meio ambiente com a própria gestão da empresa, independentemente do produto, do serviço, do setor de atividade, do tamanho ou da nacionalidade com que aparece no mercado. Esta atitude não é alheia à função original da empresa, mas pelo contrário, implica cumprir com a sua missão sabendo que terá um impacto, positivo ou negativo, com os grupos ligados ao seu funcionamento. Se não for aplicada de forma integral, corre-se o risco da implementação de práticas que, embora sejam socialmente responsáveis, ao não estarem coordenadas com um mandato e uma cultura institucional, podem vir a ser suspensas por qualquer eventualidade, situação imprevista, crise orçamental ou de gestão da empresa.

Em resumo, a RSE está comprometida com a melhoria contínua da organização, o que pode gerar valor acrescentado para todos os seus stakeholders e com eles ser sustentavelmente competitiva: na sua estrutura interna, focada na criação de valor entre os colaboradores que se integram com equidade, justiça, qualidade de vida e desenvolvimento integral; e na sua estrutura externa, na geração de bens úteis para os seus stakeholders, além do reconhecimento social e corporativo, e o ambiente favorável do mercado para o desenvolvimento do negócio.

A RSC enquadra-se em quatro áreas estratégicas que são a ética empresarial e a governança, a qualidade de vida da empresa, a ligação e o compromisso com a comunidade e seu desenvolvimento, e o cuidado e preservação do meio ambiente. Estas quatro áreas estão inseridas nos princípios do Pacto Global para apoiar e implementar um conjunto de valores fundamentais nas áreas de direitos humanos, das normas laborais e do meio ambiente, o que significa que uma empresa deve promover mudanças positivas em sectores relevantes para as suas operações de negócios.

Com um percurso de mais de 20 anos de experiência, Lorena Carreño foi presidente da PRORP, a Associação Mexicana de Relações Públicas. Atualmente é vice-presidente da CICOM (Confederação de Comunicação de Marketing) e diretora geral da Marketing Q S&C, uma empresa de consultoria de Comunicação Corporativa, e sócia da agência LewisPR, com sede em Londres.

Pode ser contactada em: lcarreno@marketingq.com.mx e @LoreCarreno

KEEP READING
Página 11 de 13« Primeira...910111213