Motivar dos pés à cabeça

Javier Hernández Aguirán

Doutor Honoris Causa e Atleta Paralímpico

Londres 2012

“Seja o motorista da sua vida e chegue assim aos seus destinos: seja diferente, seja você mesmo”

Terceira pessoa em toda a Europa a obter a permissão para dirigir... com os pés! Nascido sem braços e com uma perna mais curta em Zaragoza (Espanha) em 1979, Javier fez e faz sempre tudo com todos. Com os pés..., mas com todos. Por isso, suas conferências não escondem nada e se apoiam em sua vida em alguns momentos, mas se esforçam para se afastar da mera admiração para alcançar a mais pura motivação, fazendo com que cada um dos presentes se torne o único protagonista da palestra. Doutor Honoris Causa por sua trajetória de vida pelo Claustro de Doutorado Ibero-americano (Cidade do México) em 2017 e Atleta Paraolímpico - em um caso inédito - como nadador nos Jogos de Londres 2012, inicia sua formação com uma graduação em Comunicação Audiovisual pela Universidade Autônoma de Barcelona (2001): lá entrou por nota de acesso, apesar de sua deficiência de 90%. Trabalhou como jornalista esportivo em Heraldo de Aragón, Diário As, Marca e Teledeporte; e é capaz de digitar, com os pés, em qualquer laptop, mais de 200 batidas por minuto. Ele também é treinador de futebol formado pela Federação Argentina e diretor esportivo da Federação Espanhola.

Com um discurso disruptivo e inspirador, já falou para mais de 25.000 pessoas - entre a Espanha e a América Latina -, cativando com uma mensagem única de resiliência e empreendedorismo. Talvez empreender seja sobre atrever-se e levantar-se, sobre levantar-se e atrever-se. Nessa empresa, a de liderar nossas próprias vidas em busca de nossa melhor versão possível, é que todos nós deveríamos trabalhar. Aos 40 anos, Javier faz quatro décadas de contribuições. De seus pés, para a cabeça de todos.

As mensagens publicitárias são para anúncios

Permita que eu me apresente antes de qualquer outra coisa, porque a educação obriga e porque o mais provável é que você nunca ouviu falar de mim. Meu nome é Javier Hernández Aguirán e nasci em Zaragoza (Espanha) há 40 anos, sem braços e com uma perna mais curta que a outra. Doutor Honoris Causa pelo Claustro de Doutorado Ibero-Americano em 2017, sou jornalista esportivo desde 2001, depois de me formar pela Universidade Autônoma de Barcelona – na qual entrei com nota de acesso, apesar da minha deficiência de 90%. Fui atleta paralímpico em Londres 2012 como nadador, após atingir a final de 50 metros costas (categoria S3) de uma forma próxima do inverossímil: sem ter treinado antes dos trinta e apenas três anos depois… e fui – em 2015 – o terceiro europeu a obter a permissão oficial para dirigir com os pés. Desde 2013 – e já desligamos a música para esta dança de datas –, eu compartilho minha proposta de conferência motivacional ‘Dos pés à cabeça’ (www.delospiesalacabeza.org) diante de mais de 25.000 pessoas, em 160 edições, entre a Espanha , México, Uruguai e Argentina.

Talvez por causa da minha formação jornalística e experiência profissional, e porque tenho a honra de ser considerado em seu sonhado Top 100 de palestrantes, a Thinking Heads propõe que eu prepare um texto sobre comunicação, de tema livre, para a prestigiada plataforma Cibecom. Diante de tal honra, é claro, só posso aceitar: coloco o laptop no chão e, depois de pensar por um bom tempo, começo a escrever… com os dedos dos pés… a mais de 200 batidas por minuto.

‘Não tente em casa, a cena é reservada para especialistas’, seria dito em um anúncio com um mínimo de responsabilidade social, embora sempre com um tamanho de letra não adequado para míopes. Com a mesma responsabilidade e a vantagem de que aqui as letras não desaparecerão horizontalmente nos rótulos supersônicos, peço-lhe que não faça isso… a menos que viva uma realidade física semelhante à minha. Porque se o que falamos é motivacional, ele reside em outras coordenadas: menos comerciais e mais profundas, como regra.

Motivar deveria ser identificar-se com a mensagem e não apenas admirar o mensageiro. Que alguém seja admirável, por qualquer motivo que seja e ainda mais se essa razão é excepcional para a realidade da maioria, não o torna uma força motivadora em si mesmo. Como quase tudo o que é importante nesta vida – as soluções para muitos problemas, as respostas para as questões principais -, procuramos a motivação fora, sem perceber que muito provavelmente só a encontraremos dentro. Levado ao meu próprio caso, para ilustrar com um exemplo, digamos que não é sobre o que um garoto sem braços diz que faz e eu nunca conseguirei fazer; pelo contrário, é o que eu, com ou sem deficiência, com minhas circunstâncias mais ou menos visíveis, sejam quais forem, não faço, não penso e não acredito, sendo capaz de fazer, pensar e acreditar.

Por que dos pés à cabeça? Porque o nome marca a estratégia comunicativa desta conferência, que está a caminho do bicentenário e não compreende fronteiras. Seja parte de um prólogo inadiável: meus pés – desdobrados em mãos sempre que eu não ando – e suas habilidades adquiridas ao longo de quatro décadas exigentes e empolgantes. Uma série de imagens em preto e branco ensinam situações cotidianas que eu resolvo com eles – coloco pasta em uma escova de dente, limpo alguns copos, acendo um isqueiro… – para, uma vez dada a aula de física, dedicar o resto do tempo a de filosofia. Ou dito com menos pretensão, porque meu nível não é suficiente para que eu seja filósofo: para, uma vez satisfeita a curiosidade humana de conhecer o (pouco) que nos diferencia, podermos focar no muito que nos une.

Não sabemos se nove entre dez farmacêuticos o recomendariam, esperamos que sim, e esperamos que dez entre dez organizadores deste tipo de evento o façam, mas tenho o orgulho de anunciar que o vetor que trabalhamos aqui, que vai de fora para dentro e não o contrário, como normalmente é a norma, tem um alcance infinito e universal, para todo mundo no mundo todo: viva onde viva, seja qual for a sua realidade e, claro, sua profissão. Porque apela ao núcleo do ser humano e faz de cada presente o protagonista de cada discurso: sem questioná-lo e sem fazê-lo subir ao palco, mas colocando-o diante de seu próprio espelho. Compartilhando mensagens e reflexões que, a priori, podem se identificar com elas e incorporá-las em sua própria existência, por mais que tenham dois braços e quem as esteja transmitindo não possua nenhum.

Tudo o que fiz e faço, fiz e faço porque é possível e porque, se fosse impossível, eu também não seria capaz de fazê-lo. Não por não ter braços, mas porque nunca tudo é possível… O ser humano perfeito ainda não nasceu. E se não somos perfeitos, ninguém, mesmo se não for considerada nenhuma deficiência, será porque somos todos limitados. E se todos somos limitados, será porque nem tudo é possível, nem tudo pode ser feito, nem mesmo desejando que você seja capaz de… Claro que, se não quisermos, nunca poderemos. E, claro, tudo deve ser tentado: muitas vezes e muitos dias, até alcançar sua capacidade ótima. Não pretenda ser perfeito e comprometa-se a ser todo o (im)perfeito que a sua humanidade lhe permitir. Aceite e aspire, aspire e aceite.

Aí está a motivação, em buscar nossos 100%, cada um o seu, sem nos frustrar por não sermos ilimitados nem por não sermos onipotentes. Vamos deixar os super-heróis para os quadrinhos, os deuses para as religiões, as bicicletas para o verão e as mensagens publicitárias para os anúncios. A motivação custa, certamente mais que fama, então… Vamos dançar!