Resumo: “A Comunicação da Responsabilidade Social Corporativa sob uma abordagem Sustentável”

Klaus German Phinder

Diretor de Desenvolvimento Corporativo

AB Estudio de Comunicación

Com mais de 20 anos de experiência em temas de consultoria e comunicação de responsabilidade social corporativa e sustentabilidade. Sócio-fundador e Presidente da revista GANAR-GANAR, especializada em temas de Responsabilidade Social Corporativa e Sustentabilidade há mais de 15 anos.

Na área editorial, escreveu para as revistas ISTMO, Consultoría, Líderes Mexicanos, para o jornal El Financiero, El Economista e foi co-autor do livro Franquicias con Impacto Social.

Participou de diversos fóruns e congressos internacionais, incluindo a Red Empresa na Argentina, a Global Reporting Initiative na Holanda e o Congresso de RSC no Líbano.

Lecionou cursos de pós-graduação na Universidad de la Comunicación, na Universidad Iberoamericana e na Universidad Anáhuac del Norte.

Possui mestrado em Administração de Empresas (MBA) pela Universidade Politécnica de Madri, com especialização em Marketing Social Corporativo e completou seus estudos de graduação na Universidad Iberoamericana.

Atualmente, também atua como Diretor de Desenvolvimento Corporativo na AB Estudio de Comunicación, uma agência de consultoria em comunicação e relações públicas com 55 anos de experiência no México.

Recentemente, tive a oportunidade de dar uma palestra para os membros da Associação Mexicana de Profissionais em Relações Públicas (PRORP), que foi intitulada “A Comunicação da Responsabilidade Social Corporativa sob uma abordagem Sustentável”, com o objetivo de divulgar o modelo ganha-ganha obtido por todos os agentes envolvidos neste tipo de comunicação.

Para contextualizar a importância deste tema, foram compartilhados dados do estudo Promoting Causes, Inc e do Instituto Tecnológico de Estudos Superiores de Monterrey, entre os quais se destaca:

  • 92% dos consumidores têm uma imagem positiva das empresas que apoiam as causas em que eles acreditam.
  • 68% dos consumidores acreditam que as empresas têm a responsabilidade de ajudar a resolver problemas sociais.
  • 83% disseram que os produtos e serviços de empresas que ajudam a resolver problemas sociais se distinguem em relação aos de seus concorrentes.

A responsabilidade social é uma gestão diária pela qual as empresas devem agir de acordo com valores éticos, e, desta forma, atender às expectativas de seus stakeholders (colaboradores, investidores, clientes, fornecedores, autoridades, etc.). Deve também cumprir com a legislação aplicável e, finalmente, ser integrada à filosofia da organização e deve ser comunicada através de suas relações com esses stakeholders.

Atualmente, um dos desafios organizacionais é ser coerente com o que se pensa, com o que se fala e com o que se faz. Não se trata apenas de rótulos que os distingam perante à sociedade e à mídia, mas sim realmente fazer um acompanhamento constante de ações socialmente responsáveis que lhes permitam se destacar pela transparência, pelo clima organizacional, pela relação com as comunidades e pela pegada ecológica que geram.

Enquanto a sustentabilidade de uma empresa era considerada, no século passado, unicamente com base em seu papel primário, referindo-se à natureza da empresa para gerar lucros e sendo a única responsabilidade social da empresa a de gerar lucros para seus acionistas; agora a sustentabilidade, neste século, é considerada um papel integral, referindo-se ao grande potencial da empresa em contribuir para o modelo triplo P, em sua sigla em inglês: People (pessoas), Planet (planeta Terra) e Profit (lucros ou ser rentável).

Da mesma forma, não se deve esquecer que a comunicação da Responsabilidade Social Empresarial sob uma abordagem sustentável deve obedecer às suas políticas, procedimentos, códigos e acordos de colaboração, sob os seguintes quatro âmbitos de ação:

  • Ética empresarial
  • Qualidade de vida na empresa
  • Vínculo com a comunidade
  • Cuidado com o meio ambiente

Finalmente, devemos aproveitar os benefícios ganha-ganha que recebem os agentes que participam das campanhas de responsabilidade social, as quais estão intimamente ligadas aos conceitos de marketing social e que, ao contrário do marketing comercial, devem ser comunicados os resultados obtidos com a mudança de atitudes ou condutas na busca de um bem comum.