CONOCE LOS GANADORES DE LOS PREMIOS FUNDACOM 2019!

1-entrevista-miguel-lopez-quesada

Miguel López-Quesada, presidente da Fundacom: “Em uma crise importante, os primeiros 40 minutos são críticos”

Miguel López-Quesada

Presidente

Fundacom

Miguel López-Quesada, atual presidente da Fundacom e diretor de Comunicação Corporativa e Relações Institucionais da Gestamp. É autor do livro "Estamos em crise" sobre comunicação em situações de crise (Dossat, 2003) e dedicou grande parte de sua carreira à supervisão de programas internacionais destinados a construir e proteger a reputação de empresas, ONGs, instituições políticas e organizações internacionais.

É presidente da Fundacom, a fundação para a promoção da comunicação em espanhol e português, e da DIRCOM, a Associação de Diretores de Comunicação da Espanha. Durante 15 anos, trabalhou em algumas das maiores consultorias de relações públicas do mundo (Burson-Marsteller e Weber Shandwick). Ele presidiu as divisões de Weber Shandwick na América Latina e de Espanha e Portugal. Também dirigiu a comunicação do Grupo Zed, uma empresa digital com presença em mais de 60 mercados. Desde 2013, é responsável pela área de Comunicação Corporativa e Relações Institucionais da Gestamp, líder mundial em desenho, desenvolvimento e fabricação de componentes metálicos para a indústria automotiva, com mais de 100 fábricas em 21 países.

Ele sempre esteve ligado a associações do setor, como o Mobile Entertainment Forum, a Câmara Americana de Comércio, a SERNAUTO (Associação Espanhola de Fornecedores Automotivos), o Conselho de Administração da Câmara de Comércio Britânica na Espanha, a Câmara da Espanha, Câmara de Comércio Alemão e a Fundação Cotec para a Inovação, entre outros. Miguel é professor em escolas de negócios e universidades e autor de referência em gestão de crise.

P: Quando falamos de comunicação em casos de crise, quais são os pontos-chave para resolvê-la com sucesso?

R: Dizem que o termo “crise”, em chinês, tem um duplo significado: o de crise e o de oportunidade. Na minha experiência, vivi algumas crises que realmente se tornaram uma oportunidade. Isso é possível quando as empresas ou instituições são capazes de demonstrar ao público que estão à altura das circunstâncias: com proatividade, confiança e levando a situação a sério. É por isso que algumas crises podem reforçar uma marca ou fortalecer a instituição quando demonstram o nível de comprometimento que têm com e para seus públicos.

Outro elemento-chave é o gerenciamento dos tempos. Em uma crise importante, os primeiros 40 minutos são críticos, e a organização já deve tomar, pelo menos, uma decisão a respeito, ainda que seja identificar o que está acontecendo como uma crise.

E não podemos esquecer das pessoas que compõem o comitê de crise, já que terão que tomar decisões para administrar os públicos internos e externos, e os públicos intermediários entre ambos, que são os informantes.

P: As novas tecnologias da informação implicaram em benefícios e riscos para as organizações. Na sua opinião, quais serão os maiores desafios que as organizações enfrentarão nos próximos 10 anos neste campo?

R: Atualmente, vivemos um momento de mudança e ruptura, que nos coloca vários desafios como o imediatismo da informação, o empoderamento da sociedade, as fakenews, entre outros. A própria evolução tecnológica e social levou à necessidade de nos adaptar às mudanças em velocidades inimagináveis.

As transformações estão acontecendo tão rapidamente que falar a longo prazo é uma grande aposta, considerando que as organizações já têm que fazer planos estratégicos para dois ou três anos. No passado, muitas das nossas organizações gerenciavam planos de até 5 anos, atualmente, a maioria deles é feito para o ano que se transcorre.

Se falamos sobre as tendências atuais, geralmente nos referimos ao big data, blockchain, fakenews, Inteligência Artificial, ao gerenciamento de reputação e da confiança, por exemplo. Mas o que é certo é que cada novo desenvolvimento traz, mais cedo ou mais tarde, a criação de uma norma ou regra. Como resultado disso, o maior desafio para as organizações poderia andar de mãos dadas com a hiper-regulação em diferentes campos.

Da mesma forma, outro dos desafios que teremos que assumir será o de desenvolver e melhorar a parte diretiva do dircom, já que, em alguns casos, continua a ser uma questão pendente que leva a muitas das nossas organizações a não falar a mesma linguagem diretiva.

P: Como você imagina o profissional de comunicação no futuro? Quais devem ser suas qualidades e capacidades?

R: Deverá ter uma grande capacidade de adaptação e aprendizagem, já que vivemos em uma era de mudança contínua, e dar um passo à frente não é uma opção, torna-se algo fundamental.

Desta forma, o dircom do futuro se apresenta como um profissional absolutamente transversal, uma vez que, além de suas funções em seu departamento, também deverá ajudar os outros departamentos a se comunicar da maneira mais eficiente possível. Terá que servir de apoio e fornecer ferramentas ou ideias para determinados agentes que compõem a organização.

Da mesma forma, o dircom deverá alinhar a comunicação com a estratégia da sua organização. Não basta apenas dizer o que está sendo feito, além disso, deverá fazer as coisas acontecerem. Também não podemos esquecer o compromisso que temos com a sociedade e fornecer à organização ferramentas de escuta para atender às demandas sociais.

P: Em breve, a fundação que você preside realizará a II Cimeira Ibero-americana de Comunicação Estratégica. Por que acredita que todos os profissionais de comunicação devam participar?

R: Não há razão para justificar que um diretor de comunicação não participe da CIBECOM’2019. Garantimos que as temáticas abordadas são de grande interesse para os comunicadores ibero-americanos, porque desenvolvemos um estudo preliminar sobre as questões que preocupam os dircoms nos dois lados do Atlântico e criamos os conteúdos de acordo com esses interesses.

Adquiriremos conhecimentos tecnológicos relacionados à inteligência artificial, cibersegurança, blockchain e smart data, entre outros, e para isso, contaremos com líderes mundiais, como, por exemplo, o diretor do laboratório do MIT, Brian Subirana, de onde surgiu o que conhecemos hoje como Internet of Things. A parte dedicada à emoção será representada por grandes estrelas e campeões mundiais, como Jorge Drexler, Alberto Contador, Javier Fernández e Toni Nadal.

A parte de adaptação tratará de temas socialmente comprometidos, como o assédio e a corrupção, a diversidade e inclusão, bem como as chaves sobre como gerar mudança na cidadania. Para isso, contaremos com Rosalía Arteaga, presidenta do Equador (1997); Camilo Granada, ex-conselheiro presidencial de comunicações da Colômbia; Mariano Jabonero, Secretário Geral da OEI, e Olga Pontes, diretora de compliance da Odebrecht.

Convido-lhes a rever o programa da cimeira para conhecer detalhadamente todas as mesas e conferências que se realizarão, em Madrid, nos dias 8, 9 e 10 de maio de 2019.

Este sitio web utiliza cookies propias y de terceros, para recopilar información con la finalidad de mejorar nuestros servicios, para mostrarle publicidad relacionada con sus preferencias, así como analizar sus hábitos de navegación. Si continua navegando, supone la aceptación de la instalación de las mismas. El usuario tiene la posibilidad de configurar su navegador pudiendo si así lo de sea, impedir que sean instaladas en su disco duro, aunque deberá tener en cuenta que dicha acción podrá ocasionar dificultades de navegación de la página web.

ACEPTAR
Aviso de cookies