Paola López Rueda, empresária, jornalista, conferencista e apresentadora da CIBECOM’2017 fala-nos sobre Reputação, Sustentabilidade e Transparência

Paola Rueda López

Empresária, jornalista, conferencista e apresentadora

SciTech Media

Paola Rueda Lopez (Colômbia), empresária, jornalista e conferencista, além de sócia-gerente da empresa SCITECH, vai ser a apresentadora da CIBECOM'2017, um fórum pioneiro pelos seus objectivos, conteúdos e âmbito geográfico, em que serão identificadas as principais tendências de comunicação corporativa na América Latina.

SCITECH é uma organização que existe há 12 anos, e que tem como objectivo proporcionar a produtividade, a rentabilidade, a competitividade e a sustentabilidade das pessoas e das organizações.

Paola Rueda Lopez é jornalista, especialista em Marketing, especialista em Gestão e tem um MBA Executivo. Tem um Certificado Internacional de Coach Executivo e Master PNL.

Empresária: Com a sua empresa SciTech Media tem acompanhado a estratégia de comunicação de empresas multilatinas como o Grupo Sura, o Grupo Bancolombia e da Defesa. Corporações como a Câmara Colombiana de Construção CAMACOL e a Lonja de Propriedade Raíz, entre outros. Também integrou eventos nacionais como a Assembleia do BID e os Jogos Sul-Americanos. Membro fundador da Academia Colombiana de Relações Públicas e ex-presidente CECORP - Centro Colombiano de Relações Públicas e Comunicação Organizacional.

Conferencista: Se Rompe El Techo de Cristal, representou a Colômbia no Fórum Powerful Women Leadership 3.0 organizado pela revista Forbes na República Dominicana.

É mãe de uma criança com deficiências graves. Hoje o seu filho anda, e partilha esta história em Escolho Ser Feliz.

Workshops: Reputação 360, Gestão da Mudança, Media Training para um Porta-voz com Consistência, Felicidade para Inspirar, Comunicação Estratégica Mobilizadora e a 100%.

Publicações: autora do conto Quebrando o Tecto de Vidro, Mulheres Poderosas e do livro Histórias de Negócios Altamente Inspiradoras, Mulheres.

Reconhecimentos: Prémio Nacional de Jornalismo Simón Bolívar, Prémio de Melhor Apresentadora, Prémio CIPA de Excelência na categoria Jornalismo Económico, Prémio CECORP na categoria Empresariado, reconhecida como Jornalista com Qualidade Humana e Profissional pelo Concelho de Medellín e a USB.

Bolseira do BID para investigação no FNPI. Nomeada para a Medalha de Mérito Feminino da Alcaldía de Medellín.

Paola Rueda López (Colômbia), empresária, jornalista e conferencista, além de sócia-gerente da empresa SCITECH, vai ser a apresentadora da CIBECOM’2017, um fórum pioneiro pelos seus objectivos, conteúdos e âmbito geográfico, em que serão identificadas as principais tendências da comunicação corporativa na América Latina.

P: Qual é a importância da reputação, da sustentabilidade e da transparência para as organizações de hoje?

R: A transparência, a reputação e a sustentabilidade são chaves e pré-requisitos entre si.

Transparência quando se fala de um mundo 360o em que as redes sociais têm dado o poder a todos os stakeholders para comunicarem o que sentem na sua relação com a organização, torna-se um primeiro factor crítico que dá, ou pode afectar a reputação. É gerador de confiança.

A reputação é a percepção global. É a imagem colectiva do valor gerado por uma empresa ao longo da trajectória de cada um dos membros da sua cadeia de valor, interno e externo. É essa marca indelével, que não transparente, mas branca como o resultado da soma das cores e nuances de comportamento da organização, postas sobre a roda da comunicação que antes girava utilizando um pedal manual, e agora o faz apenas com um click. Nem sequer falamos da maior velocidade da comunicação, mas do tempo real.

A reputação, por sua vez, é responsável pela credibilidade – para as empresas cotadas na bolsa de valores –  que serve mesmo de termómetro de acordo com a percepção do mercado, em que uma empresa pode ter temperatura alta ou tão baixa que se presuma que o seu coração já não bate. Nas duas situações o valor da acção é a consequência.

E é precisamente este conceito de relacionamento duradouro e estável com o ambiente económico, social e ambiental que faz com que se consolide um modelo de negócio em que a tomada de decisão é baseada em valores compartilhados. E aí chega a sustentabilidade.

Exige pensar, dizer e fazer coerentemente, sentindo-se parte de um ecossistema. ECO porque deve ser winwin, e SISTEMA porque um dos elos da cadeia pode afectar até mesmo o risco mais fraco ou “insignificante”.

Não basta então apenas monitorá-los e mitigá-los, é preciso ter habilidade para observar todas as dimensões e potenciar as oportunidades que gerem o factor que faz a diferença, que contribui para a competitividade, para o crescimento e continuidade da organização.

P: Que influência tem a reputação e a transparência de uma organização nos seus processos de mudança?

R: A mudança é um factor constante, e para podermos falar de sustentabilidade a organização terá que abordar vários cenários para se adaptar às novas realidades, ou até mesmo criá-las.

Neste cenário, torna-se essencial que a organização identifique os travões e motores, o que significa que a reputação e a transparência são definitivos para a transformação. Para que os seres humanos envolvidos confiem. Para que a empresa acredite. Acreditar para criar.

P: Por que acha que uma cimeira como a Cibecom é importante para o desenvolvimento da profissão de comunicador na América Latina?

Pelos conteúdos: É ter num só lugar as boas práticas da nossa profissão na América Latina. Trata-se de uma imersão a que acedem as pessoas que assumem a função de Directores de Comunicação, CEO’s e dirigentes políticos, partilhando as suas visões e experiências sobre a comunicação estratégica.

Pelo Networking: É o palco para partilhar com os colegas, discutir êxitos e fracassos e trocar experiências. Torna-se um oceano de benchmarking.

Pela Organização: É a primeira vez que vejo um evento convocado por tantas e tão prestigiadas instituições e associações de comunicação e de relações públicas de diferentes países da América Latina. É ter um evento pensado e organizado pela Confederação da Indústria de Comunicação Mercadotécnica (CICOM), a Associação Brasileira de Comunicação Empresarial (ABERJE), a Associação Portuguesa de Comunicação de Empresa (APCE), a Associação Profissional de Directores de Comunicação (AsoDircom), a Associação Uruguaia de Relações Públicas (AURP), o Centro Colombiano de Relações Públicas e Comunicação Organizacional (CECORP), o Conselho Federal de Profissionais de Relações Públicas (CONFERI), o Conselho Profissional de Relações Públicas da República Argentina (CPRP), a Associação de Directivos de Comunicação (Dircom), o Círculo DirComs (DIREMOS), o Fórum de Comunicação Corporativa (FOCCO) e a Associação Mexicana de Profissionais de Relações Públicas (PRORP).

Eu quero saber as várias propostas conceptuais e metodológicas, trocar ideias, e viver esta experiência multicultural para trazer o que considerar que contribui e acrescenta ao meu exercício de profissional de comunicação.

Eu vou lá estar, e você?