¡INSCRÍBETE YA A LOS PREMIOS FUNDACOM 2020!

Sara Blázquez, Diretora de Comunicação e relacionamento com a imprensa da Coca-Cola Ibéria: “acreditamos na criação de experiências inesquecíveis para nos conectar com nossos consumidores”

Sara Blázquez

Diretora de Comunicação e relacionamento com a imprensa

Coca-Cola Ibéria

Sara Blázquez é uma das profissionais mais conhecidas no setor de comunicação da Espanha, no qual se destaca por sua longa trajetória em comunicação corporativa, comunicação de crise e reputação.

Desde sua chegada à consultoria Burson-Marsteller (atualmente BCW) em 1989, Blázquez assessorou companhias líderes do mercado espanhol e dirigiu várias equipes. Entre 2007 e 2017, foi Diretora Geral da empresa na Espanha. Logo após, passou a ser diretora de comunicação da Coca-Cola Ibéria. Nestes últimos dois anos, Blázquez se destacou por seu trabalho dedicado a fortalecer a reputação da companhia na Espanha, com foco em aspectos como a sustentabilidade e a comunidade local.

Em 2018 foi reconhecida como “Dirigente de sucesso” pela associação Dircom (Espanha) e, recentemente, foi indicada no PR Scope como um dos dez profissionais de maior destaque entre os diretores de comunicação da Espanha.

Além disso, é parte do comitê ‘Gender Diversity & Inclusion’ da AmCham Spain e do Conselho Diretor de Associações Internacionais por Marca España. Participa em distintos grupos da associação de profissionais Dircom. Também colabora com várias escolas de negócios, associações profissionais e universidades, nas quais participa em programas de mestrado e jornadas de formação para altos diretores.

P: Diante do surgimento de negócios de “inovação disruptiva”, vemos como as empresas procuram se transformar para seguir sendo relevantes para seus consumidores. Que papel a Comunicação desempenha em uma economia disruptiva?

R: A Coca-Cola é uma marca com mais de 130 anos de vida e, durante esse período, conseguiu verificar que a mudança é a única constante no mercado. A revolução digital trouxe a disrupção para as indústrias e para o gosto dos consumidores. Mas a verdadeira transformação não é tecnológica, é cultural. É por isso que a comunicação é tão importante em todo esse processo. Isso significa entender melhor as pessoas. Uma comunicação direta com o consumidor, em uma linguagem que seja natural para ele, será essencial para dar um contexto a essas inovações e disrupções e para gerar o engagement entre consumidores e marcas.

P: Na sua opinião, qual é a relação entre Comunicação Corporativa e Responsabilidade Social Corporativa? Que oportunidades você vê no mercado nos próximos anos de acordo com essa relação?

R: Atualmente, na Coca-Cola, aproximar nossos consumidores do compromisso da companhia com a sociedade é um dos pilares sobre os quais se articula nossa comunicação corporativa. Isso porque a empresa que não aporta valor à sociedade, não será terá sucesso.

É uma realidade que a Responsabilidade Social Corporativa deixou de ocupar um lugar marginal para se tornar intrínseca aos negócios e à comunicação corporativa. O perfil do consumidor de hoje é o de alguém mais consciente, que exige transparência das empresas e que também questiona o modo como elas operam e até como se comunicam. Nós, da Coca-Cola, queremos liderar uma mudança na sociedade, assumindo nossa responsabilidade, mas caminhando de mãos dadas com o consumidor, como temos propagado em nossa campanha “Vamos fazer juntos”. Acreditamos que as conquistas realizadas de mãos dadas com nossos consumidores geram maior impacto e valor, pois são resultado de um trabalho conjunto com eles.

P: Cada vez vemos mais empresas buscando agregar valor à sociedade por meio de ações de Responsabilidade Social Corporativa. Que oportunidades você vê no mercado para que uma empresa como a Coca-Cola possa continuar gerando valor por meio de suas ações de RSC nos próximos 5 anos?

R: Criar valor para a sociedade espanhola é algo que a Coca-Cola vem fazendo desde sua chegada em nosso país, há 66 anos. Temos, por exemplo, iniciativas para jovens, como o Concurso para Jovens Talentos que, nesta edição, comemora seu 60º aniversário; ou para o meio ambiente, por meio de campanhas como “A árvore, fonte de vida”, criada já em 1978 e, apenas algumas semanas atrás, o “Vamos fazer juntos”. Também temos programas focados no empoderamento de mulheres, como a GIRA Mujeres, ou no apoio ao empreendedorismo sênior, como Imparables de Aquarius.

Nosso objetivo é continuar com essas linhas de ação e seguir gerando valor para a sociedade atual, compartilhando suas preocupações. Vamos continuar promovendo a diversidade, apoiando a cultura, promovendo a formação e a empregabilidade de jovens, mulheres e idosos, e assumindo nosso papel como agente de mudança na crise ambiental que nossa sociedade está enfrentando.

P: No mês de dezembro, vemos muitas campanhas emocionais que buscam comover o consumidor. Com que finalidade são realizadas essas campanhas? Quais características elas devem ter para serem percebidas como autênticas? 

R: Faz tempo que as marcas deixaram de competir por produto ou preço, competimos com nossa capacidade de levar experiências ao consumidor. Para que elas sejam autênticas, acredito que precisamos gerar um conteúdo inspirador para aproximar o consumidor do momento de desfrutar do produto. Em resumo, trata-se de contar histórias que geram uma conexão emocional real.

Na Coca-Cola, acreditamos na criação de experiências inesquecíveis para nos conectar com nossos consumidores. Para nós, gerar um propósito, conectá-lo com uma experiência e oferecer ao consumidor motivos para o compartilhar nas redes sociais é o caminho a ser seguido.